Blog Vivros

O papel do professor na educação moderna

15 de Outobro de 2018 | 3 minutos para ler

Muito se fala sobre “qualquer um poder ensinar”, e a impressão que muitos tem é que, logo, qualquer um pode ser professor. Afinal, quais as diferenças entre ensinar algo e ser um professor?

Estamos em tempos onde a informação é encontrada em todos os lugares, o tempo todo. Tudo o que o professor pode falar na sala de aula pode ser encontrado em algum lugar da internet, a poucos cliques de distância. Assim, o professor não é mais o “detentor do conhecimento”, como parecia antes.

Se fornecer a informação foi, em algum momento, uma das principais funções do professor, ela já não é tão relevante. Na verdade, enfrentamos um problema novo: existe tanta informação de diferentes fontes e qualidades que é difícil escolher o que aproveitar ou não. Nesse contexto, é necessário ter experiência com o assunto tratado e ferramentas para se fazer uma análise crítica de todo o conteúdo lido ou visto.

Assim, o professor assume um papel muito mais rico e individualizado na sala de aula, onde pode ser um guia dentro da educação de cada aluno, ajudando a lidar com essas informações de diferentes formas. Existem metodologias que usam isso, como a Sala de Aula Invertida (do inglês, Flipped Classroom), onde o momento da aula é usado para atividades e discussões mediadas pelo professor e a obtenção de informação é feito fora dela. Isso torna as aulas mais engajadoras e participativas, impactando não só no interesse do aluno, mas também no seu desempenho.

Outra metodologia é a Aprendizagem por Projetos (do inglês, Project-based learning), onde o aluno constrói conhecimento de forma ativa, com orientação do professor. Essas metodologias ativas de aprendizagem buscam sempre colocar o aluno como agente principal do seu próprio aprendizado, enquanto o professor fornece o apoio pedagógico necessário. Muitas delas se baseiam no pensamento pedagógico de Paulo Freire.

Nesse contexto, o professor precisa não só ter o conhecimento, mas entender cada aluno, seus interesses, pontos fortes e fracos e como pode ajudar a desenvolvê-lo. É bem mais do que simplesmente passar conhecimento adiante; é ajudar o aluno a saber construir. Não é possível substituir o professor ou a escola, pois eles são fundamentais nesse processo.

Existem várias práticas pedagógicas que podem ser usadas com esses métodos, como a leitura colaborativa, pesquisa científica para jovens, atividades que estimulam a criatividade dos alunos, entre outras. Os pais podem ajudar a desenvolver algumas das capacidades necessárias para se desenvolver essas atividades em casa, seja discutindo, questionando ou mesmo brincando. Fora da sala de aula, existem organizações como o Cientista Beta e o DevY, que dão suporte para alunos do ensino fundamental e médio desenvolverem suas próprias pesquisas científicas.

Você pode até chamar de professor quem ensina algo, mas o papel do professor é bem mais profundo que isso. O professor é aquele que ajuda a trilhar o futuro dos jovens, que não por acaso, também é o nosso futuro. Obrigado a todos esses profissionais, especialmente hoje, no Dia do Professor! ❤