Blog Vivros

Meu filho não aprende como as outras crianças, e agora?

3 de Fevereiro de 2021 | Por Mayara & Josy | 3 minutos para ler

O início da vida escolar é desafiador para todas as crianças, é quando elas começam uma rotina que visa seu desenvolvimento pedagógico, mas também é quando elas precisam passar por fases de adaptações com os coleguinhas, com os educadores e com exercícios que as auxiliarão dali em diante como estudante.

O aprendizado nunca deve ser visto como algo pronto e genérico, pois cada criança tem o seu tempo de aprender. Umas aprendem rapidamente, outras demoram um pouco mais. No entanto, pode haver casos de uma criança que leva muito mais tempo para aprender e é então que devemos nos atentar para agir rapidamente com intervenções adequadas, eficientes e eficazes para que essa criança possa seguir avançando nesse processo, evitando as defasagens de aprendizagem.

Quando a criança tem problemas específicos de aprendizagem, seus padrões neurológicos são diferentes das outras crianças da mesma idade, percebe-se que ela tem dificuldade de captar, processar e dominar as tarefas e informações, apresentando grande dificuldade em executar os comandos solicitados pelos pais ou pelos professores.    

Os transtornos, distúrbios e dificuldades de aprendizagem podem ser detectados em crianças ainda na fase pré-escolar e causam uma grande preocupação para os pais e professores, já que, além de afetarem o rendimento escolar, afetam também as relações interpessoais dos pequenos. 

Se tivermos um olhar atento e consciente, fica fácil detectar quando uma criança está tendo problemas para processar as informações e a formação que recebe. Confira os sinais que servem de alerta:

  • Apresenta dificuldade para entender e seguir tarefas e instruções;  
  • Apresenta dificuldade para lembrar o que alguém acaba de dizer;  
  • Falta-lhe coordenação ao caminhar, praticar esportes ou completar atividades simples, tais como apontar um lápis ou amarrar o cordão do sapato. 
  • Perde constantemente seu material escolar, como os livros, cadernos lápis, borracha. Também perde os brinquedos em casa. Seus materiais estão sempre desorganizados. 
  • Tem dificuldade para entender o conceito de tempo, confundindo o ‘ontem’, com o ‘hoje’ e/ou ‘amanhã’. 
  • Manifesta irritação ou excitação com facilidade. 
  • Apresenta dificuldade para distinguir direita e esquerda, para identificar letras, números e palavras que as crianças de mesma idade já dominam. Sua tendência é escrever as letras, palavras ou números ao contrário; 
  • Não domina as habilidades básicas de leitura, soletração, escrita e/ou matemática;  
  • Dificuldade de comunicação;
  • Interesses restritos.

A partir dessas observações partimos para o levantamento das hipóteses mais comuns que podem ser: TDAH (Transtorno e Déficit de Atenção e Hiperatividade), autismo, dislexia, discalculia, disortografia, disgrafia.

Para cada transtorno existe um tratamento e estratégias adequadas para serem trabalhadas de modo que a criança possa se desenvolver. Para tanto, quando pais e professores detectam os sinais de alerta, devem procurar uma avaliação psicopedagógica imediatamente. O psicopedagogo é o profissional capacitado para avaliar, atender e tratar os transtornos de aprendizagem, também é função do psicopedagogo orientar os professores dessas crianças, ensinando-lhes as estratégias adequadas para cada caso. A partir de então, o estudante deverá receber um atendimento personalizado, só assim será possível que ele avance na aprendizagem.

Vale destacar que, transtornos de aprendizagem são diferentes de dificuldades de aprendizagem. A dificuldade de aprendizagem, normalmente aparece mediante algum fator psicológico que a criança esteja enfrentando e tende a desaparecer juntamente com o problema. Quando está tudo bem emocionalmente e a dificuldade persiste, então é o caso de se procurar o psicopedagogo novamente.

Mayara & Josy

Mayara Yoshizaki e Josy Nunes. Possuem formação como Pedagoga, psicopedagoga clínica e institucional, neuropsicopedagoga, especialista em educação especial e ABA. Instagram: @educacao_borboleta, @pedagogaespecial.